food, art & spirits

food, art & spirits

domingo, 6 de janeiro de 2013

For what is a man, what has he got?



Não posso dizer que fiz tudo do meu jeito - talvez pelo meu modo cordato de levar a vida. Ela já me deu muita porrada violenta, não dava para toda hora ficar batendo boca com a dita cuja - portanto era mais fácil ouvir os desaforos e seguir caminho. Mas deu mais certo do que errado - e agora, na segunda metade de minha vida (sim, os 100 anos são os novos 70 - dona Canô e Niemeyer comprovaram isto), exatamente no primeiro dia do ano de 2013, tive um longo momento de silêncio absoluto, o que provocou uma gritaria interna pedindo decisões para esta segunda metade.
Não estou querendo mais conquistar posições - estou querendo ter tempo para os pequenos prazeres.
E também para me proporcionar coisas novas, geminiano que sou - o que quer que isto signifique, pois não sou um conhecedor de astrologia.
Sempre me foi difícil acompanhar ao pé da letra um plano diretor - inclusive dentro de minha profissão, ainda mais na vida, pois  achava que a margem de erro era mais excitante do que seguir passo a passo uma receita pré-estabelecida. Mas já está na hora de aprender com alguns erros, e este - a predisposição do desacerto - terá de ser suprimida na medida do possível. 
Vou encarar alguns medos ancestrais. O primeiro - vou aprender a nadar. Ainda não sei nadar absolutamente nada, e tenho a companhia de minha querida amiga e comadre A., que está me incentivando a fazer isto junto com ela, que tem o mesmo "déficit". O receio de parecer ridículo, agarrado a uma pranchinha e sendo amparado por um professor da metade de minha idade (ou menos...)pelo menos será compartilhado - ou seja, vexame a dois é meio vexame.
Hoje soube que meu afilhado de quase cinco anos deu uma bronca severa no cachorro que comeu seu dinossauro, com momentos cômicos da melhor qualidade. Não quero mais perder muitos momentos como este.
Vou tentar tirar algumas pequenas férias sem nenhum motivo profissional, desinteressadas - faz muito muito muito tempo que isto não ocorre. 
Vou tentar beber menos. Não deve doer tanto.
Cuidar um pouquinho do corpo está na lista de ações - saúde principalmente, sou completamente desencanado (leia-se irresponsável) com isso.
Ler mais. Tenho um medo absoluto da perda da memória, e acredito piamente que ler - além de prazeiroso, diminui as chances disto acontecer.
Voltar a tocar piano está nos planos. Tocava muito bem quando  garoto, depois Eduardo me presenteou com um piano de um quarto de cauda, mas eu travei - achei que estava duro, junto à lembrança que tinha de mim mesmo. Como não pretendo dar recitais mundo afora, vou aceitar esta falta de prática como um "work in progress" eterno.
Boulangerie e patisserie estão anotados no caderninho.
Já falei beber menos?
Tirar a palavra procrastinar de meu dicionário. Ou pelo menos fazer uso comedido deste verbo.
Guardar dinheiro - deve ter um jeito de eu fazer isto. Preciso encontrar este gene no meu DNA. Não de forma avara, mas como medida profilática para o futuro. 
E no final da vida, poder cantar ao piano
"I´ve planned each charted course
Each careful step along the byway...
...The record shows, I took the blows
And did it my way."

21 comentários:

  1. Eu aprendi a nadar com mais de trinta anos. Tinha muito medo de água, de ficar em decúbido dorsal (de costas) na água e achei que jamais aprenderia. Mas tive professoras maravilhosas, que tiveram paciência pra ensinar e eu insistência pra aprender. Comigo foi tudo o contrário, explico: geralmente as pessoas aprendem o crawl muito facilmente, o costas é melzinho na chupeta e depois o borbo e o peito ficam pro final pq geralmente são de difícil aprendizado. Eu, ralei muito pra aprender a nadar crawl, quase morri pra nadar costas e quando foi pra aprender o peito e o borbo foram tipo 4 aulas cada um. Eu sou assim meio esquisito mesmo, rsrs Bjs e vai sim, nadar é uma das melhores coisas da vida. Depois conta pra gente como foi a experiência. Bjssss . Robson / SJCampos

    ResponderExcluir
  2. Tb pretendo aprender a nadar e voltar a estudar piano. Talvez aprender a ganhar dinheiro...

    Adoro teus textos!

    Nani

    ResponderExcluir
  3. Tb pretendo aprender a nadar e voltar a estudar piano. Talvez aprender a ganhar dinheiro...

    Adoro teus textos!

    Nani

    ResponderExcluir
  4. Tb pretendo aprender a nadar e voltar a estudar piano. Talvez aprender a ganhar dinheiro...

    Adoro teus textos!

    Nani

    ResponderExcluir
  5. Tb pretendo aprender a nadar e voltar a estudar piano. Talvez aprender a ganhar dinheiro...

    Adoro teus textos!

    Nani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc é suspeita - suspeitíssima, depois destes 5 comentários..rsrs

      Excluir
  6. Que delicia de texto. Quero ser seu amigo... haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a rede foi feita para isto, Mauro! forte abraço

      Excluir
  7. Wair:

    A Nani amaaaaa seus textos, tipo superfâ mesmooo...hahahaha.

    Sempre é tempo de recomeçar e começar a fazer novas coisas.

    Lindo 2013. Abraços querido.

    ResponderExcluir
  8. Venho ocasionalmente por aqui, a partir de outro blog, mas decidi que vou adicioná-lo nos meus favoritos.
    Adoro o seu bom humor.
    Também não sei nadar. Minha última tentativa em aulas de natação foi a muito tempo, quando ainda estava na graduação.Me afoguei quando ainda era muito pequena e isto dificulta muito. Agora, aos 45 anos, decidi fazer aulas de hidroginástica para ver se me sinto mais confortável dentro da piscina e quem sabe aprender a nadar.
    Talvez, até dezembro, poderemos participar de algumas competições.
    Cada um com a sua pranchinha...rsrsrs.
    Grande abraço e um ano com muito humor!

    Cristiane.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiane, também me afoguei quando garoto - mas já deu para "esquecer" este trauma, pois faz tempo...
      Espero encontra-la nas raias - e fora delas.
      Forte abraço, e obrigado!

      Excluir
  9. Bom dia Wair,

    Primeiro gostaria de agradecer a visita ao blog. E dizer que realmente se soou preconceituoso meu post sobre Cinquenta Tons de Cinza, foi mesmo involuntário. Falei tanto coma mulherada sobre o livro que acabei tomando esse rumo...

    Engraçado como seu post é carregado de intenções as quais compartilho. Aprender a nadar não é um vexame, vc verá isso qdo começar suas aulas. Sempre tive receio de aulas de natação por me sentir assim. Fui a SESC ( recomendo se vc tiver um por perto) e me inscrevi numa modalidade chamada "introdução aos meios aquáticos". Lá encontrei dezenas de pessoas bloqueadas em relação a água. Gente que tremia, pálida ao soltar a mão da borda, traumas de infância, traumas de afogamento, tudo isso era curado nessas aulas. No fim de 8 meses estávamos todos nadando como se a lembrança do útero materno tivesse voltado...rs rs rs. Recomendo, vc irá adorar.

    Bem, eu não posso pensar em beber menos, pq não bebo nada, então nessa eu passaria reto. Agora compartilhar os momentos com as crianças é imprescindível. Tenho sobrinhos e afilhados pequenos e acompanhar o crescimento não tem preço. Criança faz um bem danado pra gente.

    Volte sempre e que será bem vindo.

    abração e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tks pela dica do Sesc. Forte abraço, e boa semana.

      Excluir
  10. Olá Wair,muito interessante o teu blog,me fez realmente parar e pensar..sabe,estou "estudando" Nietzsche (na verdade foi uma oportunidade mágica de 1 semana de introdução ao pensamento do autor realizado aqui em Porto Alegre,no Teatro São Pedro,que é um dos ícones da cultura gaúcha), e tudo o que vc comentou em seu texto tem a ver com algumas teses dele..bem,não vim aqui tratar de filosofia,até pq seria muita pretensão pra uma profissional que trabalha com Moda,mas enfim,acho que nada é por acaso..e muito obrigada por tua visita ao meu blog,fiquei honrada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Madi, Nietzsche está nos meus planos - por enquanto estou penando com Dr.Fausto, de Thomas Mann...
      Forte abraço! Filosofe à vontade, fomos feitos para isto.

      Excluir
  11. Meu Deus quase enlouqueci aqui hoje ... pensava até q vc havia parado de postar ... seu blog não atualizava no meu blog roll ... q maluquice ... agora à noite apareceu um novo post ... para surpresa minha vi q vc tem postado e muito ... OMG! e eu fora do mapa ... não pode ...

    Desculpe querido, mas não foi culpa do Bratz ... antes tarde do que nunca ... estou lendo um a um e deixarei aqui o meu registro ...

    Bratz, com seus 62 anos já passou da metade da vida à muito tempo e, confesso, fiz exatamente isto q vc projeta para sua vida ...

    Assumir a vida de forma leve, livre e solta ... menos compromissos com o q tem importância relativa ou importância nenhuma e valorizar ao extremo aquilo q é efetivamente importante e que, durante muito tempo não recebeu a devida importância ...

    Consegui muita coisa dentro deste contexto e me sinto muito melhor ... muito melhor mesmo ... é verdade tb q não consegui tudo o projetado mas, o q consegui me fez sentir mais Eu ... um verdadeiro SER ...

    Seja feliz em seus projetos meu querido ...

    beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aliás, um dos meus projetos (não expresso aqui) é passar um final de semana conversando com você, caríssimo amigo. Deixarmos a virtualidade de lado.
      forte abraço!!

      Excluir
  12. Adorei seu blog, suas crônicas displicentes... :) Um dia eu estava reclamando da vida financeira pra uma amiga, _ Que caos! Nunca consigo me organizar!! E ela me disse uma coisa reveladora (não que eu já não soubesse, mas é diferente quando se ouve de um terceiro) Que era auto-indulgente, sempre me permitindo tudo, justificando os deslizes, as comilanças, a falta de atividade física, os gastos excessivos, os amores destrutivos (vixe! até rimei!) Enfim... me identifiquei com seu texto de ano novo... hahaha... mutas coisas lá que eu preciso fazer também, mas me ocorreu agora que já estamos quase no meio do ano, então acho que é melhor deixar pra começar em janeiro próximo, né? hahaha... abraço! Andreya Ramos

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir