food, art & spirits

food, art & spirits

quinta-feira, 4 de julho de 2013

singing&drinking&thinking

Mania de cozinhar à noite. Talvez por isso a maioria das minhas fotos não seja solar, tendo todas como fundo o mármore e a cerâmica de minha cozinha, ambos negros. E não concebo estes momentos sem bebida. E sem música. E tenho uma longa sequência de drinks - que invariavelmente estão ligados ao cardápio a ser executado, ou então influenciados pelo som que sai alto de meu laptop ou Ipad, para provável desespero de meus vizinhos. 
Noites atrás, rhum & coke & Roberto Fonseca, grande (em todos os sentidos) pianista cubano. Exagerado, latino, exagerado mesmo - e eu exagerei na mistura de rhum cubano com coca cola (não diet, o que é pior) e limão. Comecei fazendo uma lasanha de abóbora, para evitar o carboidrato - mas não lembro o que terminei fazendo, tamanho o teor etílico. Mais um pouco de cubanidade e começava a gostar de Fidel... 

As vezes invento de fazer receitas bem complicadas para o adiantado da noite - tais como um ragu de peito bovino. Meus acompanhantes nesta lida foram duas garrafas doses do ótimo Meia Pipa, vinho de excepcional qualidade da veneranda casa Quinta da Bacalhôa. De sabor pungente e aroma expressivo, acompanhava um naco expressivo de parmigiano e imensas e ligeiramente amargas azeitonas gregas. Quem me acompanhava nesta solitária orgia eram, além de Leopoldo, fiel escudeiro -  meu ídolo David Bowie (GOD SAVE THE KING!). Uma mistura perfeita - e inebriante. Em todos os sentidos, pois as 3:30 da matina fui dormir com os sentidos totalmente ligeiramente embotados pelo excesso de vinho e trabalho. 

Numa noite quente, gin tônica ajudava a adiantar o jantar do dia seguinte, para 35/40 pessoas em minha casa. Cardápio pronto -  e como prato principal o boeuf bourguignon com farofa de milho verde já alertava para o caráter desprovido de preconceitos de meu menu, misturando um clássico francês com o básico afro-brasileiro. E a mistura das vozes e dos sotaques de Jorge Drexler e Suzana Félix reforçava esta falta de fronteiras. (Fora o fato de que eu adoro este vídeo...)
 
Chego em casa e uma caixa com um presente de meu compadre me animou: algumas garrafas de Murphy´s Irish Red Beer, ótimas de tal forma que me fizeram incluir esta cerveja no recheio da Shepherd´s Pie - e garanto que a carne ficou fantástica com este adendo. Claro que meu julgamento estava ligeiramente influenciado pelo teor alcóolico da noite, mas garanto que este elemento adicionou um sabor especial, assim como a voz  e o ritmo de Roland Gift emprestam sabor a qualquer gravação. E Funny How Love Is me traz lembranças de noites memoráveis, intensas como a cerveja que eu tomava.


E, numa noite abafada de pré-inverno, e preguiça da boa, uma prosaica caipirinha de abacaxi para começar o jantar me forneceu ingredientes para uma sobremesa antiga, que minha tia fazia sempre - um doce de abacaxi com creme inglês e suspiro por cima. Esse prato me trouxe lembranças de um tempo em que passava as noites com meu primo, ouvindo o novo LP (para aqueles que não sabem o que é um LP - é o pai do CD, e tocava música dos dois lados...) do Milton Nascimento ou do Pat Metheny, entre copos de cerveja ou vinho pouco respeitável e uma infinidade de bobagens sendo ingeridas e/ou ditas. Por melhor que estivesse o drink, a noite terminou com um retrogosto amargo, causado pela lembrança de alguém querido que não mais está por aqui. 


As vezes a cozinha fica apenas de cenário, quando bate uma vontade de ficar em casa sem compromisso, sem ligar para ninguém, nem se conectar com nada - apenas bebendo algo suave como uma cava rosé, e ouvindo algo igualmente suave como a voz de Matthew Santos.
 
(Será que a ciência vai conseguir desenvolver um fígado auto-limpante? Acho que estou precisando...)

14 comentários:

  1. Se conseguir espero que me avisem... pois o meu fígadinho tá necessitado... #bonsdrink me fascinam! E "sentidos ligeiramente embotados" super combinam com uma sexta feira à noite... hehehe! Hugzones, Wair! Bom fds, guri!

    ResponderExcluir
  2. Convida o Bratz para uma seção de rhum & coke & Roberto Fonseca e vamos gritar juntos: Arriba Companheiro!!! kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. combinado companheiro Bratz.levo o rhum.abraços

      Excluir
  3. Enquanto o figado auto limpante não aparece, viva o chá de boldo!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Wair... seu post esta num lindo e claro hieróglifo,... então, beba mais um e fique bem.
    Beijos querido

    ResponderExcluir
  5. Qualquer comida deve ficar MARA ouvindo Bowie!!!!Um brinde ao teu post maravilhoso(e ao David,é claro!)

    ResponderExcluir
  6. Quando eu crescer quero ter este gosto musical.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando eu crescer quero ter sua intimidade com as palavras.

      Excluir
  7. eu não conhecia e nem nunca tinha ouvido falar tanto do primeiro músico quanto do último. AMEI AMBOS!!!!!!!!!!
    bjks
    Licia

    ResponderExcluir
  8. sempre bons acompanhamentos na sua cozinha!

    sobre o rio festival gay de cinema, tou colocando algumas resenhas. confere lá depois.

    abraços!

    ResponderExcluir